MENU

quarta-feira, 25 de junho de 2014

SINAIS DOS TEMPOS E CONVERSÃO PASTORAL - parte 2

Alguns até rejeitam os valores herdados da fé em nome da criação de novos e, muitas vezes, arbitrários direitos individuais. Por isso, cresce a indiferença pelo outro e aumenta a dificuldade de planejar o futuro. O que conta, para muitas pessoas, é viver o aqui e o agora. As novas gerações são as mais afetadas por essa cultura imediatista. Importa mais a sensação do momento. Tal comportamento gera novas maneiras de pensar e de se relacionar, especialmente entre os jovens que são os principais produtores e atores da nova cultura.
Na afirmação das liberdades individuais o mercado ganha força e a pessoa existe enquanto consome. dos luxuosos shoppings centers aos camelódromos das periferias, enfileiram multidões que buscam comprar a satisfação ou o sentido de sua individualidade. Será preciso enfrentar o sistema que tem uma concepção economista de ser humano e considera o lucro e as leis do mercado medidas absolutas em detrimento da dignidade da pessoa humana.
Paradoxalmente, os índices de pobreza continuam a desafiar qualquer consciência tranquila. A sociedade vive marcada pela violência, sintoma da exclusão social. Paralelamente, a drogadição desafia a vida das famílias. A sociedade do descartável valoriza apenas o que é útil. Nesse contexto, o idoso, o doente e aquele que não pode produzir ou consumir não são considerados. Vive-se numa sociedade de contrastes que desafia o ser cristão.
É importante perceber a realidade das grandes cidades que crescem acelerada e desordenadamente. As Paróquias urbanas não conseguem atender a população que nelas existe. Os presbíteros, diáconos e leigos esgotam suas energias com uma pastoral de manutenção, sem condições de criar novas iniciativas de evangelização e missão.
Nas grandes cidades, mesmo nas comunidades paroquiais existe o anonimato e solidão. Muitos procuram a Igreja apenas para atender às suas demandas religiosas. Não buscam viver em comunhão nem querem participar de um grupo de cristãos. Por outro lado, há dificuldades em acolher quem chega, especialmente migrantes e novos vizinhos que facilmente caem numa massa anônima e raras vezes são recebidos de forma personalizada nas grandes Paróquias.
Os meios de comunicação são aperfeiçoados e atingem a população em geral, influindo preponderantemente na opinião pública. Nas últimas décadas, eles mudaram hábitos e atitudes, criaram necessidades a partir de desejos e influenciaram no consumo e na religião. A internet é um território sem fronteiras que entra diretamente em todos os espaços. Essa realidade produz um mundo cada vez mais informado, conectando a todos e atingindo a privacidade de pessoas e instituições. Novos conceitos de espaço são gerados por esses meios que encurtam distâncias e alargam horizontes. A força da tecnologia dos meios de comunicação determina tanto a vida na grande cidade quanto na pequena vila do interior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário